Notícias

03.01.2018
Cultura

Rio Grande do Sul produz mais de 90% dos espumantes do Brasil

Responsável por mais de 90% dos espumantes produzidos no Brasil, o Rio Grande do Sul faz quase 17 milhões de litros da bebida anualmente. O tradicional brinde nas festas de fim de ano representa a venda de mais de 50% da produção anual durante o período das celebrações.

Para melhorar a qualidade, já reconhecida nacional e mundialmente, as vinícolas gaúchas têm investido em tecnologia. Os espumantes feitos no Vale dos Vinhedos estão entre os mais premiados do mundo.

Os vinhos tintos, brancos e espumantes produzidos na região foram os primeiros a receber a certificação com indicação de procedência no país, em 2002, concedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial, a pedido de associações, sindicatos e cooperativas de produtores locais.

Além das bebidas, o Brasil tem cerca de cinquenta produtos com a identificação geográfica, entre carne, uva, camarão, calçados e queijos.

Por esse destaque, somente os vinhos da região podem usar o título de ‘Vinho do Vale dos Vinhedos’.

A extensa produção no estado começou no século passado, quando um imigrante italiano resolveu fazer espumantes no Rio Grande do Sul utilizando o método tradicional, desenvolvido na França, conhecido como champenoise.

O consumo da bebida mais que dobrou nos últimos 10 anos. O gerente da vinícola Peterlongo comemora os resultados. “E o que nos deixa feliz é que esse aumento de consumo é muito estruturado, ele não vai regredir. É fruto de um trabalho de mudança de hábito muito bem feito”, diz ele.

Uma curiosidade sobre o sucesso dos espumantes no mercado é o terroir. A palavra, em francês, significa o conjunto de clima, solo e altitude que, juntos, criam um ambiente único para a produção das uvas.

Assim como na região de Champagne, na França, o Sul já possui um terroir reconhecido e valorizado.

Reconhecimento

 

Com condições favoráveis para a produção de uvas viníferas, a cidade de Pinto Bandeira, na Serra, está em fase final para ser um dos locais com Indicação de Procedência (IP) e Denominação de Origem (DO), específica para espumantes.

Cinco regiões brasileiras possuem a DO para produção de vinhos. Para garantir essa nomeação, além do terroir, também são avaliados os métodos de produção.

O presidente da Asprovinho de Pinto Bandeira, Daniel Panizzi, explica que a conquista da DO é importante pois o que eles buscam é levar ao consumidor um produto com condição e características muito específicas do solo e clima local.

 

“A DO é muito restritiva, exclusiva. A nossa vai ser a primeira para espumantes elaborados por método tradicional do novo mundo. É muito específica, só para três variedades de uvas Pinot Noir, Reading Itálico e Chardonet”, diz ele.

 

 

Parreirais

 

Para bons espumantes, o trabalho começa pelos parreirais. Não como antigamente, o cultivo hoje é feito em espaldeira, onde as plantas ficam na vertical. Dessa forma, o crescimento e amadurecimento das uvas é mais uniforme.

A produção de cada safra é acompanhada de perto pelos enólogos e assistentes técnicos das vinícolas. O crescimento do setor, inclusive, fez com que várias tirassem o foco dos vinhos, que comandou o ramo por décadas, para apostar no mercado de espumantes.

Em Garibaldi, também na Serra, uma cooperativa planeja dobrar a produção nos próximos três anos e superar o volume de vinho produzido, tornando a espumante o principal produto da vinícola.

“De dois milhões de garrafas, nossa expectativa é passar para quatro milhões. Percebemos que a mudança tem uma característica positiva e um bom potencial de mercado”, comenta o enólogo Ricardo Morari.